Selecione a página

Leão de Lucerna: A Batalha de Tulherias

Leão de Lucerna: A Batalha de Tulherias

O Leão de Lucerna (Löwendenkmal, em alemão) é um monumento comovente localizado na cidade de Lucerna, Suíça. Criado pelo escultor dinamarquês Bertel Thorvaldsen e esculpido por Lukas Ahorn, o monumento foi inaugurado em 1821. A escultura representa um leão moribundo, deitado sobre um escudo com a flor-de-lis dos monarcas franceses, e um segundo escudo com o brasão suíço. A imagem do leão ferido simboliza a bravura e o sacrifício dos guardas suíços que morreram defendendo o Palácio das Tulherias durante a Revolução Francesa.

O Leão de Lucerna

O Leão de Lucerna é uma homenagem aos mais de 600 soldados suíços que perderam suas vidas em 10 de agosto de 1792. Os guardas suíços estavam encarregados de proteger o rei Luís XVI e sua família no Palácio das Tulherias, em Paris. Contudo, durante o ataque revolucionário, os guardas enfrentaram uma força revolucionária numericamente superior e lutaram com bravura até o fim. A inscrição latina abaixo do leão, “Helvetiorum Fidei ac Virtuti“, significa “À lealdade e bravura dos suíços”, ressaltando o valor dos soldados que permaneceram leais até o último momento.

A Batalha no Palácio das Tulherias

A batalha no Palácio das Tulherias foi um dos eventos mais violentos da Revolução Francesa. Em 10 de agosto de 1792, uma multidão de revolucionários, apoiada pela Guarda Nacional, atacou o palácio onde o rei Luís XVI se refugiara. Os guardas suíços, que defendiam o palácio, enfrentaram a multidão com coragem, mas foram rapidamente sobrepujados. A batalha resultou na morte de centenas de soldados suíços e marcou um ponto de virada na Revolução Francesa. A coragem dos guardas suíços é lembrada como um símbolo de lealdade e sacrifício.

O monumento Leão de Lucerna não é apenas uma homenagem aos soldados suíços, mas também um lembrete da brutalidade da guerra e da lealdade inabalável. A imagem do leão ferido continua a atrair visitantes de todo o mundo, que vêm para refletir sobre os sacrifícios feitos em nome da lealdade e da honra. O Leão de Lucerna permanece como um símbolo poderoso de bravura e dedicação, imortalizando a memória dos guardas suíços que morreram em um dos episódios mais tumultuados da história europeia.

Referências
Burckhardt, Jacob. “The Lion of Lucerne.” The Art Journal, 1821.
Soboul, Albert. “The French Revolution, 1787-1799: From the Storming of the Bastille to Napoleon.” Vintage, 1974.
Schama, Simon. “Citizens: A Chronicle of the French Revolution.” Alfred A. Knopf, 1989.
Avalie!

Publicidade